Blog do Paulo Sampaio

Histórico

Stripper mais famosa dos anos 90, Malu Bailo recusava convites para fazer programa

Paulo Sampaio

03/08/2017 08h00

Convidada a participar de uma exposição erótica coletiva em setembro de 1993, a artista plástica paulistana Maria Clara Fernandes teve a ideia de reproduzir na vitrine da galeria a lendária capa do disco do grupo inglês Blind Faith, em que uma garota nua segura um avião em forma de falo. Produzida em 1968 pelo fotógrafo Bob Seidemann, a capa foi censurada. Maria Clara e seu parceiro de sala na exposição, o artista Edi Cavalcanti, acharam pouco usar a imagem como chamariz. Os dois queriam algo que desconcertasse o público de modernos que frequentava os vernissages de SP nos anos 1990.

Calhou de um primo de Maria Clara apresentar a ela uma moça que atuava em uma peça pornô no centro de São Paulo. Ideia! Por que não contratá-la para entrar nua na galeria, no auge da noite, conduzindo um aviãozinho como o da capa do disco? “Foi um sucesso incrível”, lembra Maria Clara. “Saiu em todos os jornais e durante muito tempo só se falou naquilo!” A moça desnuda atendia pelo nome de Malu Bailo, e a performance do aviãozinho foi só o começo de uma curta porém bem-sucedida carreira de stripper de luxo. A partir da exposição, passaram a chamá-la para fazer entradas em bares da moda, e algum tempo depois ela era a estrela de um show que a alçou ao posto de cult na cidade. Malu, ela mesma, virou figurinha fácil nas colunas sociais. Embora o show tenha estado em cartaz em vários lugares, inclusive fora de São Paulo, ela estourou mesmo em um restaurante de comidas afrodisíacas chamado Helena, no Itaim Bibi, zona oeste de São Paulo.

À esq., a capa censurada do disco do Blind Faith. À dir., Malu Bailo entra na abertura da exposição “Eros”, na galeria Estratos, levando o aviãozinho (Foto: Reprodução/Nelson Peixoto)

 

“Depois da performance com o aviãozinho, fui chamada por outra artista plástica, a Patrícia Magano, para fazer a abertura da exposição dela no Helena.  Deu tanta repercussão que o pessoal do próprio restaurante me contratou para fazer o show de 15 em 15 dias”, conta Malu, que tinha então 24 anos. Diante da enorme demanda por shows, ela resolveu chamar o tal primo de Maria Clara, Renato Fernandes, que fazia produção de casting publicitário, para dirigi-la. “Eu tinha dado meu cartão a Malu quando fui assistir ao espetáculo pornô, e ela me procurou depois”, conta Renato, hoje com 54 anos. Ele lembra que achou o striptease no Helena “vulgar”: “Ela usava bota de cano longo até a coxa, uma roupa de couro, encarnava uma figura ‘leather’ meio sadomasoquista. Não tinha roteiro, era muito gratuito.”

Vestido de noiva

Na primeira apresentação sob a direção de Renato, ainda no Helena, Malu usou um vestido de noiva que ele tinha guardado de uma produção de moda. “Eu falei com o pessoal do (salão) Jacques Janine, eles fizeram maquiagem, cabelo, ela chegou ao bar produzidíssima. Depois, eu fui pirando. Disse: ‘Quer saber? Da próxima vez, você vai de Jackie Kennedy’. E da outra ela foi de Audrey Hepburn (Bonequinha de Luxo), depois de Rita Hayworth (Gilda), o público delirava. Um dia, ela chegou de Jaguar com motorista. Cada personagem era acompanhada de uma trilha.”

Malu em cima do balcão do Helena: tudo menos a calcinha (Foto: Reprodução)

No auge do sucesso, era tanta gente na porta do Helena que os vizinhos organizaram um abaixo-assinado para pedir o fim do show. Àquela altura, o preço da entrada e o do couvert artístico estavam nas alturas. “Eles cobravam R$ 50 na porta e R$ 50 pelo show. Era bastante dinheiro”, lembra Malu. O strip durava 25 minutos. Ela descia a escada do restaurante, subia no balcão do bar e tirava peça por peça  — menos a calcinha. “Isso a gente manteve até o fim, porque não se tratava de um espetáculo erótico, mas sensual. Em compensação, para tirar o sutiã era uma novela. Ela enrolava os 25 minutos”, lembra Renato. O show era cultuado por pessoas de ambos os sexos. Malu: “As mulheres me procuravam para perguntar como se fazia para tirar a roupa, e andar com salto alto, sem ser vulgar. Elas queriam repetir em casa para os maridos.”

Nada de putaria

Em meio a tanto apelo, era de se esperar que oferecessem fortunas por um programa com a stripper. Renato Fernandes afirma que, para dirigir Malu, impôs como condição que ela sequer aventasse a possibilidade de aceitar. “Nunca houve putaria. Ela não era disso, e eu não toparia”, diz. “Os convites (para programas) nem chegavam a mim”, lembra Malu. Renato não apenas a dirigia, mas, com o tempo, passou a controlar tudo o que dizia respeito a ela. “No Helena, eu filtrava as aproximações. Cortei aquela história de garçom vir no camarim com recados dos frequentadores. E durante a apresentação, era proibido tocar nela.” Para dimensionar sua importância naquele contexto, ele faz uma analogia com o diretor italiano Carlo Ponti, marido-tutor da atriz Sophia Loren: “Eu criei a personagem, a dirigi no show e a treinei na vida. Ela era tipo ‘criatura’. A Malu nunca foi a um programa de TV sem mim.”

Malu com Renato Fernandes, depois de um show (Foto: Reprodução)

Nascida em uma família grande no interior do Paraná, Malu Bailo foi criada em Americana, cidade a 120 quilômetros de São Paulo, e logo que migrou para a capital passou a fazer “teatro pornô” no centro da cidade. Tinha 17 anos. Em um programa de TV que explorava o submundo da madrugada, ela aparece muito vulnerável no canto de um camarim apertado, tentando disfarçar com voz de menina o desconforto daquela situação. O apresentador diz: “Se quiser trocar a roupa, fica à vontade.” Muito constrangida, ela se levanta e coloca uma saia por cima da calcinha. Em comparação com o que viveu naquele começo, Malu agora estava no céu. “Em 1995, meu cachê por show era R$ 8 mil (em valores atualizados, cerca de R$ 30 mil)!”.

Hebe, Playboy e Raul Cortez

Um dia, o colunista Amaury Jr. gravou uma matéria no Helena, e Malu estourou na grande mídia. Foi convidada para ir ao programa de Hebe Camargo, ao de Jô Soares e passou a sair com destaque em todas as publicações nacionais. “Eu recebia convites para fazer show no Brasil todo”, conta ela. “Um vez, me chamaram para fazer no Acre, eu achei que não ia ter público suficiente. Quando cheguei à casa noturna, havia três mil pessoas. O lugar era incrível. No Recife, a mesma coisa”, lembra.

Em 1997, mesmo ano em que Marisa Orth e Mylla Christie posaram para a revista “Playboy”, Malu foi a capa de julho. Renato Fernandes negociou o cachê: “Fechei pelo dobro do que eles ofereceram a princípio. R$ 75 mil”, lembra. Com o dinheiro, ela comprou uma casa. Na mesma ocasião, dividiu o palco com Raul Cortez e mais quatro atores no espetáculo “Cheque ou Mate”: por 15 minutos em cena, com os seios de fora, ganhava o segundo maior cachê do elenco. Na TV Globo, fez a amante de Henrique (Edson Celulari), em “Torre de Babel”.

Na capa da “Playboy”, em julho de 1997; com o cachê, comprou um apartamento (Foto: Reprodução)

Ao contrário do que se poderia imaginar, Malu saía pouco, não gostava de badalo, e assim sua vida afetiva era um enigma. Ela conta hoje que, a certa altura, os homens deixaram de interessá-la. “Eles eram tão disponíveis, bastava escolher um, qualquer um. Mas eu estava cansada de ouvir as mesmas bobagens. Eles achavam que tinham de ter um pau de 5 metros para ir para cama com a stripper. E quem disse que eu queria ir para cama com eles?” Mas Malu tinha uma pessoa. Uma mulher. Pouca gente sabia. O namoro até que durou, mas ela não aguentou tanto controle. “Era muito ciúme, Deus me livre.”

Mãe, eu?

Durante muitos anos, seu parceiro mais constante foi o executivo holandês Peter Van Voorst, atualmente com 65 anos. Os dois mantiveram um relacionamento intermitente, até que um dia decidiram se casar. Viveram juntos por 11 anos, e então Voorst quis ser pai. Malu não queria ser mãe. Ele insistiu, ela se aborreceu, os dois se separaram. “Quando vejo uma mulher grávida, eu fico triste. O mundo não comporta mais tanta gente”, acredita ela. “Outro dia, uma conhecida veio me convidar para ir à festinha de aniversário das filhas gêmeas dela, e disse que gastou R$ 30 mil. Eu falei que achava aquilo um horror.”

Malu e Voorst são muito amigos até hoje. Ela dá a entrevista na casa que ele mantém no alto de uma montanha às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio, de onde se tem uma vista deslumbrante de toda a zona sul da cidade. O holandês aparece, oferece um café, uma bebida, se senta à mesa por um momento, ajuda Malu a se lembrar de passagens de sua vida, e sai.

Malu hoje, na varanda da casa do ex-marido, no Rio (Foto: Paulo Sampaio/UOL)

Para Renato, o relacionamento com a “criatura” terminou depois de uma apresentação em Taubaté (cidade a 130km de SP). “O show ficou muito popular, não me interessava mais. Ela fez banheira do Gugu, e em Taubaté o strip foi em cima de uma mesa de bilhar. Então, na volta da apresentação, a gente na Dutra, eu dirigindo, uma chuva torrencial, a Malu e a Regina (Vaz, coreógrafa do show) falando sem parar, ali eu vi que estava distante daquilo tudo. O encanto tinha acabado.”

Show beneficente 

Malu também estava perto da saturação. A fama tornou-se uma acompanhante incômoda. “Não entendo esse encanto dos artistas com os fãs. Pra mim, o cara que dá autógrafo é tão idiota quando o que pede. Aliás, na maioria das vezes a pessoa nem sabe porque está pedindo aquela assinatura.”  A pá de cal veio quando ela se mudou para o Rio, na época do espetáculo com Raul Cortez. “É uma cidade tão linda, mas o povo é tão superficial. Tudo é muito leve, muito engraçado,  muito natural.” Ela conta de um aniversário de Milton Nascimento em que um grupo de conhecidos a chamou para “fazer uma entrada” na festa. De graça. “Eu tinha de aparecer bem gostosinha, sorrir pra todo mundo e tirar a roupa. Assim é o Rio de Janeiro. Não existe muito limite. Aí, de repente, o governador vira o chefe de uma organização criminosa milionária, e as pessoas se espantam.”

Juntando o discurso duro com uma declarada preferência pelos animais e a escolha por uma vida reclusa, alguém pode inferir que agora a bonequinha de luxo está mais para Brigitte Bardot depois do exílio. Ela não se importa. Aos 48 anos, apesar de manter o corpo naturalmente em forma, Malu não mostra nenhuma disposição para eternizar o símbolo sexual.  Embora permaneça muito bonita, sua beleza está dissociada da imagem do passado.  Reconhece que se tornou intolerante, mas vai continuar a dizer o que pensa. “As pessoas hoje se orgulham de ser idênticas umas das outras. O cabelo é igual, o sapato, o dente, a cara toda. Até as coisas que elas dizem. Você já reparou?”

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Blog do Paulo Sampaio
Topo