Topo
Blog do Paulo Sampaio

Blog do Paulo Sampaio

Histórico

"Ele me mandava rastejar, dava socos e tapas no meu rosto", diz modelo

Paulo Sampaio

2003-10-20T18:04:00

03/10/2018 04h00

Por conta da profissão, a modelo e empresária Jessica Aronis, 28 anos, sempre foi magra. Pesava cerca de 60 quilos, para 1,74 m de altura. Recentemente, no estertor de um relacionamento abusivo que a consumiu durante seis anos e que poderia tê-la matado, ela chegou a 49 quilos. A anorexia nervosa foi apenas uma das sequelas que Jessica enfrentou, depois de conviver com um homem que a agredia não só fisicamente, com tapas no rosto, socos, esganaduras, chutes, empurrões e puxões violentos de cabelos, mas também com todo tipo de humilhação psicológica. Era comum chamá-la de burra, ignorante, incapaz, e fazê-la se ajoelhar para pedir desculpas por não ter limpado direito o chão, ou não ter feito uma comida que o agradasse.

Leia também: Agredida até a morte, advogada Tatiana Spitzer confidenciou à amiga que seu marido tinha nojo dela na cama
Pecuraista é condenado a 11 anos de prisão por jogar mulher pela janela
Acusado de matar a mulher, o comerciante Sergio Nahas teve júri adiado mais uma vez, por decisão do STF 

Com 49kg, pouco depois de se separar (Foto: Reprodução/Instagram)

Em um áudio que enviou a Jessica, ao qual o blog teve acesso com pessoas próximas a ela, ele diz: "Como você é ignorante, como você é burra. Qual é o ponto que eu coloco pra você? Eu coloco o meu ponto pra você. Vamos trabalhar? Vamos trabalhar direito. Se é pra limpar o chão, limpa o chão direito. Se é pra fazer comida, faça comida direito. Se é pra limpar lá fora, limpe lá fora direito. Não é direito de qualquer jeito. É direito. A melhor forma de limpar lá fora qual é? Então você limpa quão melhor que a empregada? Se você for fazer comida, então você faz a comida melhor, mais caprichosa que tiver. Se for limpar o chão, você limpa o chão direito. Se for pra começar a fazer dieta porque eu pedi pra você ontem, não compra amandita. Se for pra fazer qualquer merda, faça essa merda direito. E não seja uma puta de uma preguiçosa que quer fazer de qualquer jeito porque tá com pressa, porque a pressa é inimiga da perfeição. Se você é esse tipo, vai pra puta que o pariu. Você entendeu? Eu quero você longe de mim. Eu não quero que você pise aqui. Eu não quero tacar uma garrafa só na sua cabeça, eu quero tacar uma pedra na sua cara. Cê entendeu qual é o meu ponto? Se você mente ainda, se você… Se eu digo pra você…Vamos começar a nos alimentar direito? E você traz uma amandita pra casa, eu pergunto pra você se foi você que comprou, em vez de você falar assim: 'Foi, fui eu que comprei… eu sou uma idiota, foi mal, num fiz o que você pediu", e você mente, eu não tenho que tacar só a garrafa não, eu tenho que tacar a cama na sua cabeça,  tenho que tacar o abajur na sua cara, entendeu ou não entendeu? Se você quer que eu mude, então muda. Você sabe o meu ponto e eu sei o seu ponto."

Cachorros apavorados

Uma das sevícias recorrentes dele era jogar um copo de água no rosto de Jessica, por achar que ela não estava prestando atenção na conversa. Nessas ocasiões, dizia que ela era "disléxica" e que sofria de "déficit de atenção". "Com 0 tempo, ele passou a só conversar comigo com um copo de água na mão, para o caso de achar que eu não estava atenta", lembra ela. Nunca houve um pedido de desculpas. No máximo, ele enviava flores com um bilhete estilo: "Eu te amo, mesmo quando te odeio".

Jessica conta que até os dois cachorros dela viviam apavorados. "Ele os colocava no chuveiro, para prendê-los, e um dia deu um soco no focinho de um que fez sangrar", lembra. Certa vez, cismou que a casa estava suja por causa das patas deles, e obrigou-a a limpar o chão "com água sanitária". Quando ela disse que não tinha, ele a fez sair de madrugada para comprar. "Só que àquela hora, os supermercados não estavam abertos. Eu entrei em uma padaria 24 horas e implorei para que eles me cedessem um pouco, alegando que meu irmão tinha bebido demais e vomitou a casa toda. Quando voltei, morta de medo, ele nem se lembrava mais, estava dormindo", conta ela, em entrevista exclusiva ao blog.

Jéssica no mês passado

Alerta às mulheres

Na semana passada, seis meses depois de sair de casa, Jessica tomou coragem para postar no aplicativo Instagram vários relatos sobre os abusos e agressões que sofreu. Ela diz que não busca vingança; sua intenção é alertar mulheres que estejam passando pela mesma situação. "Eu não imaginava que fossem tantas", diz. "Algumas são muito jovens, estão desesperadas, não sabem o que fazer. Agradecem muito o meu depoimento, dizem que eu dei coragem a elas para acabar com o inferno em que viviam."

Mesmo quando perguntada, Jessica não declara o nome do ex-marido, em parte porque está movendo um processo contra ele que corre em segredo de Justiça, em parte porque alega que seu objetivo não é expô-lo. Mas todas as pessoas que fazem parte do círculo de amizades dela garantiram ao blog que se trata do ator João Gabriel Vasconcellos, 32 anos, cuja estreia no cinema foi no filme "Do Começo ao Fim", de Aluizio Abranches, no qual vivia uma paixão incestuosa com o irmão, interpretado por Rafael Cardoso — que está na novela "Espelho da Vida", atual trama das 18hs da TV Globo. João Gabriel  também participou de "Chiquititas", do SBT, e da série "O Negócio", no HBO.

Casamento com festa

Para quem desconhece a história do casal, basta ligar os pontos a partir das postagens de Jessica no Instagram e fazer algumas consultas na Internet, para ver que o autor dos abusos não pode ser outro. Até porque ela só viveu três relacionamentos longos. O primeiro, quando ainda era adolescente e do qual tem ótimas lembranças, aconteceu entre os 15 e os 22 anos dela; seguiu-se João Gabriel, até março deste ano; e agora ela namora outro rapaz. "Cresci em um ambiente de muito amor, meus pais são bem casados, eu nunca tinha ouvido falar em violência doméstica." João Gabriel foi o único com quem ela se casou, por sinal com uma festa grande, em Fernando de Noronha, Pernambuco.

Antes do casamento, com a festa paga, ele arrumava as malas e a ameaçava deixá-la  (Fotos: Instagram)

Antes de partir para as agressões físicas, o algoz de Jessica já havia se certificado de que a tinha transformado em sua refém psicológica. "Eu estava extremamente apaixonada, o protegia com unhas e dentes. Uma noite, em uma balada, ele me deu um tapa no rosto na frente de uma porção de gente. Algumas pessoas tentaram me defender, uma amiga dele me puxou em um canto e disse: 'Jessica, você nunca mais vai permitir que ele faça isso com você!' Mas eu não ouvia, estava completamente dominada. A submissão se deu aos poucos; quando vi, eu era empregada, motorista, e ainda assim ele dizia que nem para dirigir eu servia."

Medo de retaliação

Ninguém na família dela sabia de nada. Jessica escondia, não só por medo de sofrer retaliação do marido, como também porque passou a achar aquele comportamento "normal". "Eu não entendia porque minhas amigas choravam quando eu contava o que eu estava vivendo. Era um desabafo, claro, mas não achava que fosse pra tanto." A mãe dela, Patrícia, que a acompanha durante a entrevista ao blog, conta que "percebia que alguma coisa estava muito errada".

Tudo só piorava. No auge dos acessos de ira do marido, Jessica passou a ter crises histéricas, gritava, batia com o punho fechado na própria cabeça. Desatinada, entrava na Internet em busca de histórias parecidas com a dela. "Enquanto ele dormia ao meu lado, eu ficava no celular pesquisando sobre violência doméstica. Percebi que era exatamente o que eu estava passando." Foi então que ela resolveu se abrir com uma prima que é advogada criminalista. A prima a forçou a procurar uma terapeuta. Algumas sessões depois, a terapeuta disse que não daria conta da situação, e a orientou a buscar uma especialista naquele tipo de abuso.

Leia tambémProfessora de casamento ensina em bufê infantil como deixar o marido feliz
Lady Francisco diz que foi estuprada por diretor da Globo
Produtora lésbica se queixa de discriminação na Delegacia das Mulheres

"Ele vai matá-la"

Jessica acabou consultando uma psiquiatra, que foi taxativa: "Ela disse que eu tinha de sair de casa", lembra. No limite máximo do pânico, depois de mais um round de humilhações, a psiquiatra convocou os pais de Jessica para participar de uma consulta. "Minha mãe já sabia mais ou menos o que estava acontecendo, mas meu pai, não. À medida que ouvia a história, ele se mexia na cadeira, sem acreditar, imagina." Naquele dia, a médica deu um ultimato: "Ou a Jessica sai de casa por livre e espontânea vontade, ou vocês tiram ela de lá até sexta-feira (dois dias depois), senão ele vai matá-la."

Na mesma tarde, Jessica ainda foi ao trabalho, no comércio que o casal dividia. Ele falou que queria conversar sobre o dinheiro que os dois deviam ao pai dela. "Disse: 'Ou a gente paga, ou mata ele'." Jéssica reagiu incrédula: "Não fala assim!" Ele retrucou: "Que foi, vai defender o papaizinho? Você não sabe o que é uma metáfora, sua burra!?" Quando percebeu que ela estava distante, que não pensava mais em discutir, ele se enfureceu: "Tá se achando né? Tá pensando que criou asinhas!"' Acuada, ela pediu para conversar.  "Ele mandou que eu ajoelhasse. Eu não ajoelhei, como tinha feito outras vezes. Ele disse que então conversaríamos em casa e, depois, mudou de ideia: 'Quer saber de uma coisa? Você não vai voltar pra casa! Pronto! E foda-se!"

Foi a última vez que ele a viu.

É como uma droga

No outro dia, depois que ele saiu para trabalhar, Jessica foi com a polícia buscar as coisas dela no apartamento do casal. Seguiu para a casa da prima advogada, entregou seu celular para ela e sumiu de circulação. "Eu estava dilacerada, destruída, meus cabelos caíam aos tufos, as lembranças eram as piores." Mas, por incrível que hoje possa parecer a ela, Jessica ainda não estava segura de que tomara a decisão certa: "Eu me preocupava com ele, me sentia ligada aquilo tudo. É como uma droga, você sabe que aquilo tá fazendo mal, que pode te matar, mas não consegue se livrar."

Ela já havia saído de casa e voltado algumas vezes, mas agora foi diferente.  A família já sabia de tudo, e havia apoio psicológico e médico, para o caso de ela fraquejar. "Eu tinha crises de pânico, de depressão, mas consegui me livrar. Agora, estou aqui contando a história para você, com a sincera intenção de ajudar o maior número de vítimas possível."

Em outubro, ainda abaixo do peso ideal (Reprodução/Instagram)

O lado dele

O blog entrou em contato por telefone com João Gabriel Vasconcellos, para ouvir o lado dele. O ator  negou as acusações de agressão: "Isso tudo é mentira, tanto que não tem nenhum exame de corpo de delito, nenhuma testemunha. Há questões mais profundas na separação, havia um acordo financeiro que eu não quis arcar, valores estabelecidos pela família dela."

De acordo com o ator, ele vinha tentando terminar o relacionamento havia um ano, sem sucesso: "Ela me implorava para ficar, etc etc, eu acabava cedendo. Até o dia em que a peguei me gravando, e disse que não queria mais."

Mais tarde, por WhatsApp, ele completou: "Tudo isso é muito triste, o fim de um casamento é sempre doloroso. Nunca houve agressão física da minha parte. Estou em contato com meus advogados, os quais estão avaliando as medidas judiciais cabíveis, referentes às imputações injuriosas e difamatórias, pois essas acusações são sérias, inverídicas e agora precisarão ser provadas".

João Gabriel não é réu primário. Em 2010, durante uma corrida de táxi acompanhado de sua namorada na época, a atriz Tammy Di Calafiori, ele iniciou uma briga com ela que levou o motorista a parar para pedir socorro em uma cabine policial. O ator se recusou a apresentar um documento de identidade, dizendo que era militar da marinha, e ainda agrediu o policial. Processado, João Gabriel não se apresentou na Justiça e acabou sendo condenado (processo número: 0081553-18.2010.8.19.0001). Não cabe recurso.

Procurada pelo blog, Tammy Di Calafiori não quis se manifestar.

PARA DENUNCIAR UM ABUSO, LIGUE 180 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.