menu
Topo
Blog do Paulo Sampaio

Blog do Paulo Sampaio

Histórico

Produtor de moda de famosas da Globo sofre ataque homofóbico em SP

Paulo Sampaio

2030-10-20T18:05:00

30/10/2018 05h00

Foi um voto a menos contra o preconceito. Vítima de um ataque homofóbico brutal na noite de sexta-feira, 19, o stylist brasiliense Juliano Pessoa, 39 anos, não se sentiu em condições de sair de casa no domingo para ir à zona eleitoral. Votaria em Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores. Ele teve a mandíbula deslocada, o nariz quebrado e alguns dentes da frente trincados. Depois de sofrer uma cirurgia, ficou internado no hospital até sexta-feira, 26.

Leia também: Eleitor gay de Bolsonaro considera a parada LGBT um "nojo"
Dezessete anos depois de trote, ex-aluna trans volta a faculdade para fazer palestra
Refugiada lésbica diz que busca plano B para o caso de Bolsonaro ser eleito

Vítima de ataque homofóbico, Juliano preciso passar por cirurgia e colocar três pinos no nariz, duas placas no rosto (Foto: Arquivo Pessoal)

O ataque aconteceu na região dos Jardins, em São Paulo, na Alameda Santos, próximo à Rua da Consolação. Juliano voltava de uma produção de moda com a atriz Camila Queiroz e o companheiro, Zuel Ferreira, 39, com quem forma também uma dupla profissional. "Quando o motorista embicou o carro na garagem, pedi a ele para dar uma parada porque queria saltar para ir ao supermercado." O stylist deixou os amigos no carro e subiu duas quadras, em direção à Avenida Paulista.

Ao atravessar a Santos, na altura da Consolação, um homem descrito pelas testemunhas como muito grande, careca e tatuado, se aproximou do stylist por trás e aplicou um soco na lateral de sua cabeça. "Eu não vi o rosto da pessoa. Vi que o punho dele era cheio de cicatrizes. O primeiro soco acertou o meu ouvido e meu queixo. Eu perdi a consciência, mas ainda assim consegui dizer 'Covarde!' Ele voltou e me deu mais um soco."

Leia também:  Grupo gay do PSDB desaprova apoio de Dória a Bolsonaro
Grupos LGBT denunciam patrocínio ilegal em trios da parada gay
Grupos LGBT mandam carta protocolada para prefeito Bruno Covas, mas são ignorados

Amnésia na Paulista

Segundo as pessoas que viram o ataque, o homem disse: "Agora, todo mundo tem que ser viado!" O stylist conta que algumas mulheres que estavam em mesas de barzinhos instaladas nas calçadas da Alameda Santos o defenderam. "Elas gritaram com o cara, ele saiu em direção a Paulista", lembra. A partir daí, Juliano não se lembra de mais nada ("a camareira que trabalha com a gente me encontrou andando sem rumo entre os carros, na Avenida Paulista"). Ela o levou ao Hospital 9 de Julho.

No hospital, o stylist foi atendido primeiro por um médico que, apesar de tê-lo submetido a uma tomografia, o liberou depois de receitar analgésicos e anti-inflamatórios. Juliano voltou para casa, mas ainda sentia muitas dores. "Eu não podia nem tocar na boca." Na segunda-feira, foi levado de novo ao hospital, onde outro médico contestou o primeiro e disse que o caso tinha gravidade: "Esse segundo era um senhorzinho muito legal, médico de vocação mesmo, tipo aqueles de família. Ele viu de saída que minha mandíbula estava deslocada, e meu nariz, quebrado". O produtor precisou tomar pontos de uma extremidade à outra da arcada dentária superior, e foram-lhe introduzidos dois pinos no nariz e duas placas na face.

Outro lado

A assessoria do hospital 9 de Julho diz que "o atendimento foi feito de forma adequada seguindo protocolos, e o paciente foi orientado que mediante novos sinais e sintomas e/ou evolução clínica desfavorável há necessidade de reavaliação médica".

A Secretaria de Segurança Pública informou que o autor da agressão ainda não foi encontrado: "O caso é investigado pelo 78º Distrito Policial (Jardins). Todas as circunstâncias da agressão são apuradas e os policiais da unidade realizam diligências para identificar o autor do ataque."

Mundo perdido

Muito conhecidos no meio da moda, Juliano e Zuel vivem juntos há 18 anos e trabalham como stylists há 16. A dupla já produziu capas de publicações tão prestigiadas quanto Vogue, Bazaar, L'Officiel, Marie Claire e J.P. Entre os artistas com os quais trabalharam estão Paolla Oliveira, Grazi Massafera, Klebber Toledo e Rodrigo Lombardi.  Em entrevista ao UOL, Bruna Marquezine chorou ao comentar o caso: "Hoje à tarde eu me arrumei tremendo, porque uma pessoa do nosso meio, um homossexual, foi espancado na rua. Ele perdeu a memória e terá de operar o maxilar. Então, a gente pensa: 'O mundo está muito perdido'. "

Juliano conta que foi criado em uma família de seis irmãos, três deles adotivos. "Desde pequeno, eu aprendi a conviver com as diferenças. Tenho uma irmã negra, uma lésbica, um loiro de olho azul, todos nós nos amamos. Já tinha lido no jornal sobre violência ligada à homofobia e preconceito, e visto isso na TV, mas é uma vivência que ninguém da minha família tinha passado."

Com Paolla de Oliveira e o companheiro, Zuel Ferreira, com quem faz também dupla profissional (Foto: Arquivo Pessoal)

O blog pediu a Juliano para fazer uma foto, mas, como trabalha com estética, ele disse que sentiria uma dor ainda maior se expusesse as sequelas. "Não gostaria de virar um caso emblemático, desses que saem em capa de revista e ficam como referência eterna de um momento ruim. Falei com você porque acho que a matéria pode ajudar a conter casos de violência e homofobia."

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.