Topo
Blog do Paulo Sampaio

Blog do Paulo Sampaio

Histórico

Cirurgia inédita: mulher trans tem vagina reconstruída com pele de tilápia

Paulo Sampaio

2026-04-20T19:14:41

26/04/2019 14h41

(Foto: Viktor Braga/UFC/Divulgação)

Em um procedimento inédito no Brasil, uma mulher trans do interior de São Paulo passou na última terça-feira (23), na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), por uma cirurgia de reconstrução vaginal com pele de tilápia — peixe de água doce criado no Brasil desde os anos 1950. O mesmo procedimento tem sido realizado com tecido do próprio pênis. A nova técnica, desenvolvida pelo ginecologista Leonardo Bezerra, da Universidade Federal do Ceará, é utilizada desde 2017, com sucesso, em mulheres cis portadoras da síndrome Rokitansky, muito rara, que provoca a má formação da vagina. No caso dessas mulheres, os médicos normalmente usam o tecido do intestino. 

Bezerra diz que a paciente os procurou quando leu sobre o procedimento em um site de notícias. "Ela já havia realizado a cirurgia de redesignação sexual pelo método tradicional, com a pele do próprio pênis, mas o canal vaginal ficou curto, não funcional, e havia corpos cavernosos (resquícios do pênis) que precisavam ser retirados."  Normalmente, a cirurgia levaria 40 minutos. Mas a necessidade de resseção dos corpos cavernosos a prolongou por três horas. Ainda assim, um tempo bem inferior ao da que se realiza com o tecido peniano — que é mais invasiva e apresenta um tempo de recuperação maior.

Leia também:

Trans já podem registrar nomes sociais; preferido é Bruna
Produzi primeiro filme com travesti 'fazendo ativo', diz empresário do sexo
Homem trans fala de transição de gênero, bissexualidade e solidão
São Paulo terá bar para homens que transam com homens, mas não são gays

Acrílico e silicone

A cirurgia foi realizada por uma equipe multidisciplinar que reuniu Bezerra, o ginecologista Luiz Gustavo Brito e urologista Cassio Ricetto, os dois da Unicamp. Sem necessidade de cortes na barriga, o procedimento é feito pela genitália e com anestesia peridural. Bezerra explica que consiste em  afastar o reto da bexiga e introduzir naquele "espaço virtual" uma prótese de acrílico envolvida pela pele da tilápia. Assim que essa pele é incorporada ao epitélio vaginal, em cerca de sete dias, a paciente substitui o molde de acrílico por outro de silicone (semelhante a um absorvente higiênico), para que o canal não se feche. A expectativa é de que a paciente estará apta para relação sexual em até três meses.

Segundo o professor, a tilápia é o segundo peixe em produção do mundo — só perde para a carpa — e o primeiro do Brasil. "O filé é utilizado para fins comerciais, mas sua pele é um produto de descarte, vai direto para o lixo. Apenas 1% é aproveitado em um artesanato rudimentar", explica. Por outro lado, Bezerra diz que o banco de pele humana no país não atende 1% da demanda das pessoas que sofrem queimaduras.

Embalagem a vácuo

Uma força tarefa de quase cem profissionais — biólogos, químicos, farmacêuticos — foi mobilizada para desenvolver a técnica de conservação da pele da tilápia: "O tecido é muito frágil, não seria possível transportar no gelo. Assim, é preciso submetê-lo a processos de esterilização e liofilização (desidratação), antes de   embalar a vácuo. Essa embalagem é transportável com segurança, como se fosse um produto de supermercado."

As cirurgias feitas até agora, em mulheres, mostraram que a pele do peixe foi bem incorporada ao organismo. Em relação à mulher trans, ela passa bem e já caminha pelo quarto, o que é um bom sinal. Como ainda está em recuperação, preferiu não dar entrevistas nem se identificar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.