Topo
Blog do Paulo Sampaio

Blog do Paulo Sampaio

Histórico

Na estreia do show Baby Shark em SP, mãe reclama da ausência de mommy shark

Paulo Sampaio

09/10/2019 04h00

A princípio, o "Baby Shark Live Show" é dedicado ao público infantil — mas há adultos que também se deixam levar pela saga da família de tubarões cantantes. Na estréia latino-americana do espetáculo, sábado, em São Paulo, a arquiteta Thaís Trentin, 41 anos, mãe de Helena, 4, ficou muito aborrecida com a ausência de um personagem que considera importante: "Cadê Mommy Shark?", perguntou ela, levantando os braços e apontando para si como referência na família. A falta de mamãe tubarão pareceu atingir em cheio seu orgulho de progenitora. "E a Grandma Shark?", continuou, mostrando sua sogra, dona Mazé, correspondente de vovó shark. "Não achei legal não. O lance deles (os Shark) tem muito a ver com pai, mãe, avó, com família mesmo. O show não valoriza isso. Eu esperava mais. E outra: como musical, sem Mommy nem Grandma, foi caro".

Aos não-iniciados: Baby Shark é um filhote de tubarão estilizado que, diferentemente do bicho real, não morde nem mata — só tortura. Sua principal presa são crianças de 0 a 5 anos, que costumam ser abduzidas por uma música cuja letra diz: "Baby shark, doo doo doo doo doo doo/Mommy shark, doo doo doo doo doo doo/Daddy shark, doo doo doo doo doo doo/Grandma shark, doo doo doo doo doo doo/Grandpa shark, doo doo doo doo doo doo/Let's go hunt, doo doo doo doo doo doo/Run away, doo doo doo doo doo doo/Safe at last, doo doo doo doo doo doo."

Veja também:

Helena com os pais, no dia de sua festa de 3 anos, cujo tema foi Baby Shark: "A música bombou de verdade muito recentemente, então a gente não encontrou quase nada no Brasil para a decoração. Por sorte, ele (Diego, o pai da menina) estava indo para os Estados Unidos poucos dias antes e comprou até a camiseta (que está vestindo, com a letra da música tema)", conta Thaís (Foto: Arquivo Pessoal)

3,5 bilhões de views

Cada frase da música deve ser repetida quatro vezes e, por fim, tudo volta ao início. Com 3,5 bilhões de visualizações no Youtube, o hit chegou a ocupar a 32a. posição entre os Hot 100 Billboard, considerado o ranking de singles mais importante do mundo.

Composta originalmente na década de 1990 por dois educadores norte-americanos, a canção mais tarde foi revisitada por vários ritmos e tendências. Maycon Fontoura, produtor do "live show", diz que o doo doo doo que de fato viralizou foi o da versão do espetáculo, criado pelos coreanos do Smart Study — que se apresenta como "empresa de entretenimento educacional". "A gente segue o roteiro deles, que é a base do show da turnê mundial", explica Maycon, para justificar a ausência de Mommy Shark (e de Grandma e Grandpa).

Ele garante que esse primeiro show no Brasil foi "só uma provinha" e que os próximos muito provavelmente apresentarão a família toda. Que bom.

Será possível?

Antes de ir ao show, o adulto que conhece minimamente o conteúdo da família Shark é tomado pela apavorante questão: como será que eles transformaram uma canção de cinco personagens e vários doo doo doo em um musical de 65 minutos?

A resposta vem com uma notícia relativamente boa para quem tem intolerância psíquica a repetições: a música tema é cantada apenas 4 vezes.

Na história, tudo gira em torno da busca por Baby Shark, que se perde de Daddy. Além do próprio papai tubarão, vão atrás dele os coadjuvantes Pinkfong e Hogi, mais um explorador, um cowboy e uma mergulhadora, entre outros personagens que, segundo Maycon, "remetem às culturas regionais de alguns países".

Hogi, Pinkfong e grande elenco, em busca de Baby Shark (Foto: Paulo Sampaio/UOL)

Embora o texto seja adaptado para o português, as músicas foram mantidas na versão em inglês: "As crianças só reconhecem essas canções no original", explica Maycon. Por sua vez, os atores cantam em playback as gravações produzidas previamente com suas próprias vozes. Por que então não deixá-los cantar ao vivo? "Para não sair do timing do show nem um segundo", diz o produtor. Ah.

Baby Shark desce à plateia, em momento interativo (Foto: Paulo Sampaio/UOL)

Missão de fim de semana

No saguão, antes do espetáculo, os pais parecem cumprir alegremente sua missão de fim de semana. Alguns reconhecem que é puxado: "Quem deu o ingresso para o show foi o padrinho dela, de Dia das Crianças. Deu o ingresso, mas não veio junto", ri a analista de sistemas Mayara de Oliveira, 31 anos, mãe de Alice, 1 ano e meio.

Alice ganhou o ingresso para o show do padrinho, de Dia das Crianças. "Deu o ingresso, mas não veio junto", ri a mãe (Foto: Paulo Sampaio/UOL)

Pouco antes do segundo sinal, que avisa o começo do show, um casal de primeira viagem tenta encaixar o carrinho de bebê de ré, na porta da sala. Dá tempo apenas de dizer que o filho não sabe ainda o que é Baby Shark, "mas a gente estava sem saber o que fazer, comprou o ingresso para vir". "Vai ser divertido", acredita o engenheiro Rafael Cruz, 37 anos, com invejável animação.

O engenheiro Rafael Cruz com a mulher, Renata, e o filho (Foto: Paulo Sampaio/UOL)

Réplicas dos Shark

A estréia de sábado, na casa de espetáculos Tom Brasil, foi anunciada como  "única apresentação" em São Paulo. De acordo com Maycon, o "live show" deve percorrer 50 cidades do Brasil, mais o mesmo número na América Latina, incluindo as capitais de todos os países. Ele espera que o espetáculo seja visto por 350 mil pessoas. Em São Paulo, os ingressos foram vendidos a preços entre R$ 29 e R$ 180, e se esgotaram em cinco dias. O Tom Brasil tem 1.800 lugares.

Logo à entrada da casa, uma banca comercializava réplicas de Baby e Daddy em forma de travesseirinho de pelúcia. O blog pergunta se venderam muito, e uma das encarregadas diz que não. "Para o padrão brasileiro, os preços são salgadinhos", disse. Pelo travesseirinho em forma de Baby, cobravam-se R$ 200; o modelo igual, "mas que canta", R$ 250; e o que está em cima de uma bicicleta, R$ 450. A representante da empresa que tem a licença para comercializar os produtos no Brasil não quis revelar números, nem mesmo o próprio nome.

Grandma Shark, Pinkfong, Karina Bacchi Shark, Grandpa Shark (ao fundo), Enrico, Baby e Daddy Shark; Amaury Daddy Shark Nunes fazendo a foto (Foto: Paulo Sampaio)

Crianças VIP Shark

Assim que o show terminou, quando os atores ainda estavam agradecendo, a atriz,  apresentadora e modelo Karina Bacchi se levantou de uma mesa na primeira fila e caminhou para a saída fazendo um vídeo-selfie dela com o filho, Enrico, no colo. Era seguida pelo marido, Amaury Nunes.

Já no camarim, onde crianças VIP esperavam para fazer fotos com Baby e Daddy, o pequeno Enrico mostrou-se impaciente com a demora. Para entretê-lo, Karina passou a referir-se à própria mãe como Grandma Shark e ao pai como  Grandpa Shark. A representante da empresa que tem a licença para comercializar os produtos Shark disse: "Pode fazer fotos com eles (Baby, Daddy e Pifkong), viu Karina? Fica à vontade. E fica à vontade para filmar também!"

Fica à vontade é ótimo.

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

Mais Blog do Paulo Sampaio