Topo
Blog do Paulo Sampaio

Blog do Paulo Sampaio

Histórico

Empresária é condenada a 18 anos por dopar o marido e depois matá-lo com um tiro

Paulo Sampaio

23/05/2017 09h08

Emilie Daud Sarruf, condenada por matar o marido, Sergio Sarruf, um dos donos das lojas Rei do Armarinho, em foto de 28/11/2002 – Crédito:Paulo Pinto/Agência Estado

As duas primeiras tentativas de matar o marido, misturando sonífero em seu café, não deram certo. Na terceira, a administradora Emilie Daud Sarruf partiu para algo mais eficaz: deu um tiro em sua cabeça, enquanto ele dormia. Dessa vez, Sergio Afif Sarruf, então com 46 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu. O crime aconteceu em 30 de outubro de 2002, por coincidência o mesmo dia em que a estudante Suzane von Richthofen participou do assassinato brutal de seus pais. Apesar de o Ministério Público ter protocolado a acusação na época, a administradora só enfrentou o júri popular na semana passada — mais de 14 anos depois.

Até o fatídico 30 de outubro, qualquer pessoa que convivesse com a família Sarruf acharia graça se alguém dissesse que Emilie estava planejando matar o marido. Apesar de alguns problemas de ordem financeira, que só teriam servido para uni-los ainda mais, o relacionamento dos dois era considerado invejável. Emilie conheceu Sergio quando tinha 12 anos, e os dois passaram a namorar cerca de um ano depois. Houve uma breve interrupção, mas eles acabaram se casando. Tiveram três filhos, um menino e duas meninas, criados em um casarão de dois andares e quatro quartos em um bairro estritamente residencial na zona sul de São Paulo. As três crianças eram atendidas por três empregadas e um motorista; estudavam em uma das mais incensadas escolas particulares de São Paulo e passavam férias na fazenda dos avós.

Rei do Armarinho

De origem síria e libanesa, Sergio e Emilie trabalhavam em empresas de suas respectivas famílias. Ele dividia com os irmãos a administração do Rei do Armarinho, uma das mais emblemáticas lojas de aviamentos da Rua 25 de Março, no centro comercial de São Paulo; e Emilie era encarregada da parte financeira da indústria de borracha Daud, fabricante de pisos antiderrapantes e componentes automobilísticos. Tanto uma empresa quanto a outra sofreram revezes financeiros ao longo dos anos, mas, de acordo com a promotoria, a Daud estava pior das pernas — e esse seria o motivo do crime: Emilie precisava da herança do marido para salvar os negócios.

Por sua vez, os advogados de Emilie fizeram tudo para provar que a família de Sergio enfrentava maiores dificuldades que a dela. O filho mais velho da vítima, Serginho Sarruf, 35 anos (20 na época), afirmou que o pai vinha se queixando de depressão por causa de problemas financeiros. A defesa tentou mostrar que Emilie, hoje com 59 anos, só herdara dívidas de Sergio."Não faz sentido uma mulher matar o marido para ficar com uma herança que não existe", alegou o advogado Renato Marques Martins, do renomado escritório de advocacia Alberto Zacharias Toron, o mesmo que defende o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do cargo desde que o empresário Joesley Batista, da JBS, revelou em delação premiada que o tucano teria pedido a ele R$ 2 milhões justamente para pagar sua defesa no processo da operação Lava Jato.

Com a intenção de mostrar até que ponto Sérgio estava endividado — e assim provar que não valeria à pena matá-lo por dinheiro — a defesa afirmou que as dificuldades passaram a crescer "como uma bola de neve" a partir de 1997, quando o casal promoveu uma reforma grande na casa e acabou gastando mais do que o previsto. Isso os teria levado a uma debacle financeira. "Curioso que essa reforma só tenha aparecido no processo na semana passada, quase 15 anos depois do crime", estranhou a promotora Soraia Bicudo Simões Munhoz, que foi assistida pelo escritório do advogado Fábio Hanada.

Dormonid e Racumin

De acordo com a acusação, a primeira vez em que Emilie tentou matar o marido foi na manhã do dia 25 de outubro de 2002, uma sexta-feira, quando adicionou o indutor do sono Dormonid no café que ele tomaria. Depois de apresentar tontura e sonolência, Sérgio foi internado e passou por um período de observação. Como ninguém imaginaria que ele pudesse estar sendo dopado, os médicos o liberaram sem submetê-lo a exames mais minuciosos. No dia 30, mais uma vez, ele apresentou os mesmos sintomas. Ainda assim, compareceu ao velório do sogro de seu irmão, ocasião em que a família estranhou a coloração azulada de sua pele. Retrospectivamente, soube-se que ele poderia ter ingerido veneno para rato. Na volta do velório, precisou descansar de novo para se recuperar.

E então, à noite, veio o tiro fatal. Eram por volta de 22h30 quando a cozinheira Amenaide Pinho Silva, a Nadir, 52, ouviu um estampido vindo do quarto que dava para o quintal da casa. Automaticamente, ela olhou para cima e percebeu que alguém havia acendido a luz. Cozinheira da casa havia seis anos, Nadir já tinha comentado com as outras empregadas que Emilie estava colocando "alguma coisa" no café do marido. Quando ouviu o tiro, ela ligou os fatos e passou a acreditar que a patroa havia matado o marido. A manicure Cássia Parolim, outra testemunha de acusação, contou que naquela manhã Emilie tinha mandado Nadir comprar pão, enquanto ela mesma providenciava o café (em seu depoimento, Emilie afirmou que muito raramente entrava na cozinha, e que mal sabia fritar um ovo). Segundo Cássia, assim que Sergio tomou o café, Emilie se trancou no lavabo para lavar a garrafa térmica, e só então pediu a Nadir que fizesse outro "novo". "Quem se trancaria num lavabo para lavar uma garrafa térmica?", perguntou a promotora Soraia.

Sacola suspeita

O barulho do tiro disparado com um Taurus calibre 38 soou como um alarme nos ouvidos do vigia Manuel Alexandre da Silva, 55, encarregado de fazer a ronda noturna na pacata alameda dos Araés, no Planalto Paulista. Na mesma hora, ele entrou em contato com o 160. Distrito Policial, na Vila Clementino, para comunicar a ocorrência.  Em cerca de três minutos os policiais chegaram à casa e prestaram socorro à vítima, que morreu pouco depois de dar entrada no Hospital São Paulo. Enquanto isso, outros quatro oficiais se ocupavam da cena do crime.

Chamada a prestar depoimento, Emilie, que estava de peignoir, pediu para trocar de roupa. A policial Helenice Gomes Nascimento a acompanhou até o quarto de vestir. Ali, a preocupação da administradora em ocultar uma determinada sacola levantou suspeitas. Desconfiada, a policial pediu para ver o que tinha dentro; Emilie resistiu, escondendo a sacola atrás de si. Com a interferência de outros policiais, Helenice conseguiu verificar seu conteúdo. Além de uma caixa de Dormonid sem nenhum comprimido na cartela, havia um pacote de Racumin (veneno para ratos); um revólver Taurus com uma cápsula deflagrada e quatro intactas; e duas luvas, uma branca e uma vermelha. O exame residuográfico revelou depois que havia pólvora em uma delas.

Em seu depoimento no DP, Emilie sustentou que ela e o marido tinham sido vítimas de um assalto. Segundo seu relato, dois ladrões encapuzados a haviam rendido na porta da frente, subido a escadaria que dá no hall de distribuição dos quartos, entrado na suíte do casal e matado Sergio. O vigia garantiu que esteve na porta da casa o tempo todo, desde que ouviu o tiro até a chegada dos policiais, e que não viu ninguém entrar nem sair dali. Dada a quantidade de indícios contra Emilie, ela foi presa na mesma noite.

"Praticamente uma santa"

Na ocasião do crime, a opinião pública acompanhou as investigações especialmente intrigada, perguntando-se como uma mulher tida como mãe zelosa, doce e dedicada seria capaz de dar um tiro na cabeça do marido enquanto ele dormia. Cliente assídua do salão de cabeleireiros L'Officiel, no Jardim Paulistano, Emilie era retratada como tranquila, reservada e elegante. Na igreja de São Judas, onde ela prestava serviços assistenciais, os voluntários a definiam como "extremamente generosa". "Ela não mataria nem uma formiga", afirmou Valdeci Medeiros, 52 anos, então diretora da escola de samba Rosas de Ouro, na qual, em 2002, Emilie havia desfilado pela quarta vez, como destaque. Sua fantasia era discreta, sem decotes, coberta até nos antebraços por luvas — sim, as da sacola. Sergio costumava acompanhá-la nos ensaios. "Quando ele não ia, ela ligava dizendo a hora em que chegaria", lembrou Valdeci. O que mais despertou a curiosidade dos investigadores foi o fato de essa mesma mulher ter "insistido" tanto em matar o marido.

Quase um mês depois de ser presa, Emilie negou ao juiz Vicente Luiz Adua, do 1 Tribunal do Júri, que tivesse cometido o crime. Chegou toda de preto, salto alto e um terço nas mãos. Na denúncia, a promotoria classificou o crime como homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe (pensando em se apoderar do patrimônio do marido) e recurso que impossibilitou a defesa da vítima (alvejada enquanto dormia e se recuperava de uma intoxicação, sem possibilidade de se defender). Ela chegou a ficar presa por mais de dois anos. Em fevereiro de 2012, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou em votação unânime que ela fosse a júri popular.

O Juízo Final

Já no primeiro dia do julgamento, que começou na quarta-feira (17), as duas famílias não se comunicaram. Os Daud ocuparam as cadeiras à esquerda do plenário; os Sarruf, à direita. Para quem não fazia parte de nenhum dos clãs, era inevitável imaginar o que poderia estar se passando na cabeça daquelas pessoas. As pistas, pelo menos da parte de Emilie, eram poucas. Sentada ao lado dos três advogados que atuaram em sua defesa, ela não transmitia sentimento nenhum. Dor, raiva, arrependimento, nada.  Não esboçava reação nem mesmo quando a acusação a chamava frontalmente de assassina.  Sua placidez lembrava a de uma senhora que aguarda no cabeleireiro do bairro — não no L'Officiel — sua vez de fazer escova. A própria defesa, sem que ninguém comentasse nada, se adiantou numa tentativa de justificar aquele comportamento." Muitas vezes, uma pessoa calma pode aparentar frieza. Nossas reações aos dramas são as mais inesperadas. Certa vez, quando o prédio estava pegando fogo, meu pai desceu de elevador fumando um cigarro", comparou o advogado Thiago Gomes Anastácio.

"Não foi ela!"

Ao testemunhar a favor da mãe, os três filhos a defenderam incondicionalmente, ainda que confrontados com evidências irrefutáveis de que só ela poderia ter cometido o crime. Não foram encontrados vestígios de escalada nos muros, nunca se constatou a entrada ou saída de alguém da casa naquele horário, e jamais se localizaram os assaltantes.  É importante lembrar que o crime, cometido contra um empresário de classe média alta, teve extraordinária repercussão na mídia. As televisões chegaram à casa de Sergio quase que ao mesmo tempo em que a polícia. Fabiana, a filha mais nova, então com 12 anos (agora com 26), repetiu no tribunal: "Não foi minha mãe, eu tenho certeza. Ela não tinha motivo para fazer isso." De acordo com seu relato, Emilie jamais conversou com ela sobre o assunto.  Chorando, ela acrescentou. "Isso é uma ferida aberta na minha vida, toda vez que colocam o dedo, dói muito."

Os três filhos foram morar com a avó materna, e desde então estiveram afastados do convívio com a família paterna. "Eu os procurei algumas vezes, mas os empregados eram orientados a dizer que eles não estavam", afirma a irmã de Sergio, Sandra. "Cheguei a deixar presente de Natal para eles, não obtive retorno. Certa ocasião, eles até quiseram se encontrar com minha mãe, mas com a condição de eu não estar. Não permiti porque ela estava muito idosa, cardíaca e não seria bom deixá-la sem assistência em um momento de tanta emoção. Na Páscoa, voltei com ovos de chocolate, mas o Serginho partiu para cima de mim, fora de si."

"A puta da Nadir"

Em seu depoimento, Fernanda, a filha do meio (hoje com 30 anos), disse  que só conseguia se recordar de "flashes" do dia do crime. "Eu me lembro do meu irmão gritando para os repórteres irem embora." Em um diário que ela encontrou na semana passada, pouco antes do julgamento (e usado pela defesa), Fernanda anotou: "A puta da Nadir, aquela cozinheira bêbada e drogada, acusou minha mãe."

Na hora do crime, Nadir não só se recusou a subir para o quarto quando Emilie a chamou, como passou a gritar que quem tinha dado o tiro fora ela. Em cenas exibidas pela TV, Nadir parece desesperada, dizendo: "Foi ela quem matou!". O tempo todo a defesa procurou desclassificar o testemunho da cozinheira, dizendo que ela era bêbada e louca. A promotora lembrou, contudo, que a mãe de Emilie, dona Vilminha, chamada para socorrer, também gritava muito — mas com elegância. "O interessante é que a bêbada da Nadir, a louca, trabalha há muitos e muitos anos em outra casa", ponderou a promotora.

O embate entre promotoria e defesa consumiu quatro longos dias, até que no sábado (20), às 19h35, o juiz Roberto Zanichelli Cintra reuniu o júri, a ré e os advogados para proferir o veredicto. Emilie Daud Sarruf foi condenada a 18 anos e 8 meses de prisão, inicialmente em regime fechado. O clima entre os Daud era de absoluta consternação. Tristeza, desalento, prostração. Até mesmo dois dos três advogados de Emilie choraram. Ela manteve a fleuma. Cabe recurso.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Paulo Sampaio