PUBLICIDADE

Topo

Paulo Sampaio

"É sexy gritar contra o Lula", diz coordenadora do movimento 'Vem pra Rua'

Paulo Sampaio

04/04/2018 03h28

"Nas manifestações do PT, você vê muita gente da classe alta, mas eles não ficam junto com o povo. Aqui, hoje, não existe isso, é tudo muito natural", observa a farmacêutica Carolina Martins, 37 anos, que aprecia o que chama de "mistura interessante" do alto do trio elétrico do movimento Vem pra Rua. Lá em cima, há no máximo 20 pessoas, fora os organizadores. "Eu implorei para subir, eu mereço", diz ela, longe da mistura interessante.

O trio foi um dos quatro que animaram a manifestação de ontem contra Lula na Avenida Paulista. De acordo com cálculos da polícia militar, cerca de 40 mil pessoas foram à manifestação. O STF (Supremo Tribunal Federal) julga hoje um pedido de habeas corpus do petista para manter-se em liberdade até que o caso do tríplex do Guarujá chegue ao último recurso.

Carolina Martins e a mãe; ao fundo, a "mistura interessante" (Carine Wallauer/UOL)

Protesto eclético

De fato, o protesto esteve bem eclético. A maior parte dos frequentadores era composta por lavajatistas ferrenhos, mas havia também alckiminstas, bolsonaretes, jovens cristãos da TFP, justiceiros, militantes do Botox e até manifestantes bilíngues.

Você é contra a corrupção ou contra o Lula? "Both", responde a empresária Daniela Butolo, 37 anos, que votou em Aécio Neves. "Hoje (no protesto), o personagem é o Lula. Em segundo, o STF", diz a empresária, enrolada em uma bandeira do Brasil. Ela está com a designer de interiores Fernanda Gomes, 51, que também foi eleitora de Aécio e também luta contra a corrupção.

A empresária Daniela Butolo (à dir) e a designer de interiores Fernanda Gomes (Foto: Carine Wallauer/UOL)

O Alckmin é simples

Ali perto está outro manifestante bilíngue, o aposentado David Sotorilli, 67, que veste uma camiseta onde se lê: "In Moro We Trust", da lavra do estilista Sergio K., o mesmo que criou a famigerada "Eu não tenho culpa, votei no Aécio", antes de o candidato do PSDB se enrolar na Justiça e sumir de circulação.

Sotorilli diz que seu protesto é contra qualquer tipo de corrupção. Diz que vai votar em Geraldo Alckmin para presidente. Em relação às delações contra o governador, que teria se beneficiado em um esquema de desvio de dinheiro nas obras do metrô, Storilli garante que "não é coisa dele, é de funcionário". "O Alckmin é um cara honesto, simples, humilde. Se não fosse, não teria levado o filho para ser enterrado em uma cidadezinha desse tamanho (faz uma bolinha com o indicador e o polegar)."

A publicitária Cristina Partel, 55, pensa parecido: "O que é uma mala com R$ 100 mil?", pergunta ela, minimizando os eventuais episódios de corrupção em que Alckmin esteve envolvido. O que importa, para Cristina, é que ele é "conciliador". "Chega de políticos populistas e de radicalismos. Precisamos de alguém de centro."

David Storelli: Do you speak in English? (Foto: Carine Wallauer/UOL)

Metalúrgica e ativista independente

Metalúrgica e "ativista independente", Ana Claudia Graf, 39 anos, conta muito empolgada que no sábado de aleluia ela e um grupo de manifestantes malharam um judas na porta da casa do ministro Ricardo Lewandovski: "A gente queimou o boneco, ele chamou a polícia", diz ela, rindo, sem parar de gravar uma live. Em cima do trio, a metalúrgica entrevista o advogado Modesto Carvalhosa, que, por sua vez, afirma que Lula fez o STF de refém.

Ana Claudia já tem candidato para presidente da República, e sua opção explica um pouco seu lado incendiária. Ela vai votar no deputado ultraconservador Jair Bolsonaro, do PSL, conhecido por apoiar a ditadura militar e considerar a tortura uma prática legítima. Até chegar a Bolsonaro, ela conta que trabalhou para o PT em um "projeto bonito", no qual viu "muita coisa feia". "Mas o PSDB também rouba merenda."

Ana Claudia Graf é metalúrgica, ativista independente e eleitora de Jair Bolsonaro (Foto: Carine Wallauer/UOL)

Quem é quem?

Cabelos loiros e obedientes, olhos muito abertos e camisa customizada com a barriga de fora, a agropecuarista Ione Junqueira, 54, diz que "o foco no momento é contra a decisão pelo habeas corpus". As duas amigas que estão com ela são da mesma opinião: "Isso mesmo", dizem. Quando alguém lembra às três que o presidente Michel Temer também está envolvido em falcatruas, uma delas, a dentista Silvia Tobias, 54, afirma: "O Temer é petista" (inferência pelo fato de ele ter sido vice de Dilma Rousseff).

Os argumentos para gritar contra um corrupto e não outro são surpreendentes.

A coordenadora do movimento Vem pra Rua, Adelaide Oliveira, 57 anos, eleitora de Aécio Neves ("foi uma cagada"), tem um palpite para explicar porque Lula é mais odiado do que outros políticos envolvidos em escândalos (Aécio, Temer, Renan Calheiros, Romero Jucá, Geddel…): "O Lula é o que aparece mais. Para a população, é sexy gritar contra ele, as pessoas se emocionam", acredita ela.

Adelaide Oliveira, do Vem pra Rua (Foto: Carine Wallauer/UOL)

A poucos passos de Adelaide, no topo do trio elétrico, o sociólogo Marco Antônio Villa discursa para a multidão. Em tom professoral, ele diz: "Nada de mudar do Brasil, isso não existe. A gente tem de mudar o Brasil."

Desde D. Pedro

Mudar do Brasil: "As manifestações contra o Lula estão associadas aos ricos porque aqui só tem empresário, gente que ganha dinheiro e que dá emprego", acha Maria Rosa Abage, 43 anos, que se diz revoltada por ter precisado mandar 600 funcionários embora de sua empresa. Culpa do Lula.

Para Maria Rosa, que foi à passeata com a amiga Adriana Vila Real, 51, também empresária, "corrupto no Brasil existe desde D. Pedro, não tem como não ser". "Mas o Lula é psicopata, manipulador, do mal". Ela fala isso com raiva, mas sem alterar a expressão do rosto muito liso.

Maria Rosa afirma que, se tivesse uma fábrica, colocaria todos os funcionários em três ônibus e os faria ir à manifestação. "O perigoso não é falar do Bolsonaro. O perigoso é ser de esquerda. É preciso acabar com ela."

Maria Rosa Abage e Adriana Vila Real: "Corrupto existe desde D. Pedro. Não tem como não ser" (Foto: Carine Wallauer)

Sobre o autor

Nascido no Rio de Janeiro em 1963, Paulo Sampaio mudou-se para São Paulo aos 23 anos, trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, nas revistas Elle, Veja, J.P e Poder. Durante os 15 anos em que trabalhou na Folha, tornou-se especialista em cobertura social, com a publicação de matérias de comportamento e entrevistas com artistas, políticos, celebridades, atletas e madames.